Schwannoma - Tumores dos nervos periféricos


Como todos os órgãos que compõem o corpo humano, os nervos são estruturas formadas por células especializadas que conduzem informação (impulsos elétricos) do cérebro a todo o corpo e do corpo ao cérebro. Os nervos periféricos são aqueles que estão fora do sistema nervoso central, o cérebro em si e a medula espinhal.

Os tumores do nervo periférico são raros e na sua maioria tumores benignos. Os dois mais comuns são o neurofibroma e o schwannoma. Eles podem ocorrer esporadicamente ou associado uma doença genética conhecida como neurofibromatose.

A principal queixa dos pacientes que apresentam tumores nos nervos periféricos é o aumento de volume no local onde ele surge, dor, e alteração neurológica, que pode ser redução ou aumento da sensibilidade local ou perda de força e movimento.

Como a maioria destes tumores são benignos, sua evolução é lenta. Alguns pacientes apresentam sintomas leves por meses ou anos até que decidam Procurar atendimento médico. Tumores malignos tendem a progredir rapidamente aumentando seu volume, intensificando a dor ou causando alterações neurológicas mais rapidamente.

Qualquer alteração descrita acima em um local do corpo que apresentava um abaulamento prévio ou sintomas semelhantes, porém leves, devem ser levadas a sério pelo paciente, pois é um dos poucos indícios de risco de malignidade.

Ao examinar um schwannoma, ele tende a ser móvel perpendicularmente ao eixo do nervo periférico do qual se originou, mas fixo ao longo desse eixo. Sua consistência a palpação é de um tumor duro, ao contrario do lipoma que pode ser facilmente comprimido. A dor ocorre no local do tumor e está relacionada a compressão do nervo aonde ele surgiu. A percussão do tumor com o um dedo pode desencadear a sensação de choque elétrico, é o chamado sinal de tinel.

A ressonância magnética é o exame de imagem ideal para identificar a presença de um tumor de nervo, determinar se ele é intrínseco ou extrínseco a esse nervo e avaliar o envolvimento de estruturas adjacentes.

A tomografia apresenta capacidade limitada no diagnóstico desses tumores pela dificuldade de diferencia-los da musculatura saudável ao redor. Já a tomografia por emissão de pósitrons (PET/CT) pode ser útil para distinguir tumores malignos do nervo periférico de tumores benignos.

A biópsia cirúrgica é recomendável na avaliação desses tumores, em especial aqueles profundos a musculatura do membro pelo risco de malignidade, pois isso determinará as opções cirúrgicas. Os pacientes com dor, aumento de volume nos tecido moles e alteração neurológica devem fazer biópsia para avaliar o risco de malignidade.

O tratamento para o schwannoma e tumores dos nervosos periféricos é baseado na remoção cirúrgica. Alguns podem ser tratados conservadoramente, observando sua evolução. Tumores muito volumosos representam desafio cirúrgico e devem ser conduzidos por equipe médica experiente.