A CORRIDA PREJUDICA OU AJUDA QUEM TEM DORES NAS COSTAS?



Corrida é um dos esportes mais populares no mundo e é amplamente praticado pelos adultos. Apresenta benefícios à saúde, como controle do peso e prevenção de doenças cardíacas e vasculares.


Embora seja uma maneira efetiva de melhorar a saúde e o condicionamento físico, existem riscos de lesão ortopédica associados à prática da corrida. A maioria das lesões estão associadas ao excesso de treino, que promove um desequilíbrio entre a resistência dos tecidos do corpo e carga biomecânica produzida na corrida. Muitas das lesões acometem os joelhos, quadris e a panturrilha, levando a dores musculares e tendinites.

A dor lombar (dor nas costas) é um dos problemas de saúde mais comuns

no mundo, sendo que 80% dos adultos em algum momento na vida apresentam dor lombar que precisa de atenção médica.

Apesar ser tão comum o surgimento da dor lombar na população, ela é menos comum entre os praticantes de corrida regular. Os estudos científicos relacionados ao tema corrida e dor lombar sugerem que o disco intervertebral (que funciona como um amortecedor entre as vertebras da coluna) é mais hidratado e tem níveis de glicosaminoglicano maiores (são mais saudáveis) nas pessoas que praticam corrida de forma regular.


Esses achados sugerem que prática regular de corrida pode representar uma proteção contra a dor lombar.




É importante ressaltar que quem estiver sentindo dor nas costas não deve iniciar a prática esportiva antes de ser avaliado por um médico. Muitas vezes é necessário tratar o problema que levou a dor lombar antes de iniciar a prática esportiva regular.


E para os já praticantes de corrida, alguns fatores são importantes pois predispõem ao surgimento de lesões relacionadas a esse esporte:


- Desgaste mais intenso em um dos lados do tênis, sugerindo alteração na pisada.

- Encurtamento muscular, principalmente posterior da coxa e anterior do quadril.

- Diferença no comprimento dos membros inferiores



- Índice de massa corpórea (IMC) acima de 24, sugestivo de sobrepeso. O IMC é calculado dividindo-se a altura (cm) pelo peso (kg), elevado ao quadrado.



Novos estudos estão sendo conduzidos e revisarão o tema.


REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7271446/pdf/12891_2020_Article_3357.pdf